09 março 2016

O Racionalismo

Racionalismo. Doutrina que privilegia a razão como fundamento de todo conhecimento possível. Segundo Hegel: "Aquilo que é racional é real, e o que é real é racional". Contrário ao empirismo, que valoriza a experiência, e ao fideísmo, que valoriza a revelação religiosa. Filosoficamente, pode ser uma visão de mundo quando afirma o acordo entre o racional e a realidade do universo quanto uma ética que afirma que as ações dos seres humanos são racionais em seu princípio, em sua conduta e em sua finalidade.

O racionalismo começa com Descartes (1596-1650). Será desenvolvido mais tarde por Spinoza e Leibniz. Descartes ficou famoso pelo "penso, logo, existo", conclusão sintética da aplicação do seu método, denominado dúvida hiperbólica. Primeiramente, nega qualquer conhecimento anterior (tradição). Depois, fazendo uso de sua razão, busca alguma coisa fora da tradição, qualquer coisa que resista a todas as dúvidas. Quer assentar o seu método numa verdade contra a qual nenhuma dúvida, a mínima que seja, possa pairar.

Baruch Spinoza (1632-1677) dá prosseguimento ao racionalismo. Partindo do dualismo da mente e da matéria concebido por Descartes, formula o seu panteísmo pelo qual se postula uma única ordem racional, uma identificação entre o ser de Deus e o ser do mundo. Resumo do seu pensamento: Há apenas uma única substância. ==> Tudo que existe é constituído dessa substância única. ==> Essa substância é "Deus" ou "natureza". ==> Ela fornece tudo em nosso Universo com seu... ==> ... processo de formação. ==> ... seu propósito. ==> ... sua forma. ==> ... e sua matéria. ==> Desses quatro modos, Deus é a "causa" de tudo.

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716) é outro representante do racionalismo. Em carta a Samuel Clark, ele diz: "Nada acontece sem que haja uma razão suficiente para ser assim e não de outro modo". É dele a teoria da mônadas, substâncias sem extensão. De acordo com o seu pensamento, "não há dualismo da mente e da matéria, mas antes uma escala (quase evolutiva) entre os seres da natureza, coroada por Deus, mônada das mônadas, no padrão de uma harmonia preestabelecida". Resumo do seu pensamentoToda coisa no mundo tem uma noção distinta. ==> Essa noção contém toda verdade sobre essa coisa, incluindo sua conexão com outras coisas. ==> Podemos analisar essas conexões por meio da reflexão racional. ==> Quando a análise é finita, podemos alcançar a verdade final. ==> Essas são as verdades da razão. ==> Quando a análise é infinita, não podemos alcançar a verdade final pela razão, somente pela experiência. ==> Essas são as de fato.

Blaise Pascal (1623-1662) é também arrolado dentro do racionalismo. No entanto, ele diz: "O coração tem razões que a razão desconhece". Pascal contesta a tese de que a razão filosófica possa alcançar uma certeza total. Segundo seu ponto de vista, "Há dois excessos: excluir a razão, não admitir mais do que razão". Resumo do seu pensamentoA imaginação é uma força poderosa no ser humano. ==> Ela pode ultrapassar nossa razão. ==> Mas pode levar a verdades ou falsidades. ==> Podemos ver beleza, justiça ou felicidade onde elas não existem realmente. ==> A imaginação nos desvia do caminho.

A razão deve sempre ser ativada, pois sem ela seríamos marionetes nas mãos dos outros. Convém, contudo, colocá-la dentro dos seus estritos limites, para não cairmos nos desmandos da inteligência.  

Fonte de Consulta

Temática Barsa - Filosofia. Rio de Janeiro: Barsa Planeta, 2005.

VÁRIOS COLABORADORES. O Livro da Filosofia. Tradução de Rosemarie Ziegelmaier. São Paulo: Globo, 2011.

Nenhum comentário: