12 dezembro 2012

No Exercício do Perguntar


“Sabendo o que significa perguntar podemos melhorar a forma de formular questões.”

Com o passar do tempo, vamos relaxando a arte de perguntar. Assemelhamo-nos às pessoas que se fecham em seu “curto referencial teórico”. Acomodamo-nos ao pouco que sabemos e não nos aventuramos em novos desafios, em novas pesquisas, pesquisas essas entendidas como alargamento dos horizontes do conhecer. Sem o percebermos, vamos aniquilando a nossa criatividade, a nossa perspectiva de vida, de inovação.

Estabelecer o necessário é muito difícil. O perguntar pode ser considerado um método, pois método é caminho para atingir um fim, fim este que é a ampliação do saber. Sócrates, na Antiguidade, já nos ensinava a perguntar, não a qualquer um, mas a quem tivesse condições de responder. Por isso, precisamos escolher quem poderá responder à questão. Perguntar a um psicólogo sobre as teorias da relatividade não seria a pessoa indicada, embora pudesse responder a tal questão.

Há dois tipos de perguntas: objetiva e subjetiva. O perguntar objetivo refere-se a uma pesquisa (científica, histórica, filosófica, religiosa, etc.); o perguntar subjetivo refere-se à pesquisa dos nossos estados emocionais (introspectivo). Quantas vezes não entramos numa livraria sem nada em mente e saímos com um livro que serve à nossa necessidade espiritual. A busca se deu em função de nosso interesse, muitas vezes inconsciente.

Para Heidegger, o saber prévio pode estar impregnado de falsas teorias e preconceitos, tendo, como resultado um falso saber. Diante dessa observação, lembremo-nos dos três elementos que fazem parte da arte de perguntar: o questionado (busca por algo), o perguntado (resposta intencionada) e o interrogado (alvo da pergunta, o qual deveria nos dar a resposta).

Perguntar é um verbo que precisa de complemento. Quem pergunta, pergunta sobre alguma coisa para alguém responder. Além disso, ele é também uma atividade que exige ação. A ação de buscar o desconhecido, consoante a famosa frase de Kant: Sapere Aude! Ousa saber.

Fonte de Consulta: NODARI, Paulo César (Org.). Por quê?: A Arte de Perguntar. São Paulo: Paulinas, 2011, p. 9 a 25 (Coleção filosofando).
ver mais

05 dezembro 2012

Pré-história


A pré-história é um conceito nebuloso. Ela procura compreender, no presente, os conjuntos de lugares, artefatos e paisagens do passado. Vale-se da escavação arqueológica, muitas vezes descrita como passar do conhecido ao desconhecido. Fundamenta-se na ausência de escrita. É muda e silenciosa. É a história sem palavras.

De acordo com Chris Gosden, a palavra "pré-história" foi usada pela primeira vez em 1832, mas só adquiriu uso corrente após a publicação, em 1865, de Prehistoric Times, de Sir John Lubbock. Acrescenta que este conceito tornou-se necessário por causa da expansão do universo imaginativo durante o século XIX e à revelação de espaços de tempos maiores para a história humana e biológica.

A pré-história tem relação com a visão de mundo: para os arqueólogos, os nossos antepassados surgiram há 6 milhões de anos; para os criacionistas  somente a partir do "Gênesis" da Bíblia. O bispo Ussher, por exemplo, no final do século XVIII, estimou que a Terra fora criada em 4.004 a.C. A base empírica, porém, para escalas de tempos maiores veio-nos através dos geólogos e biólogos.

Para bem entendermos a pré-história, há necessidade estudá-la de forma empírica e filosófica. As escavações e as sondagens fornecem-nos informações seguras sobre o passado. O aspecto filosófico: como nos abrirmos ao modo de pensar dos antigos, que não tinham palavras para se expressarem? Como renunciar ao nosso mundo civilizado para absorver os horizontes de vida dos primeiros seres humanos?

A pré-história, nos tempos presentes, está bastante viva entre nós. Ela habita aqueles setores de nossa vida em que é difícil expressar em palavras, ou seja, a nossa relação com carros, computadores, lápis, papel etc.

Para mais informações, leia o livro Pré-história, de Chris Gosden, traduzido por Janaína Marcoantonio. Porto Alegre: L&PM, 2012. (Coleção L&PM POCKET; vol. 1057)  
ver mais

07 novembro 2012

Cabala

O termo “cabala”, do hebraico Qabbalah, é utilizado para definir a interpretação mística e as tradições esotéricas do judaísmo. No contexto da religião judaica ela se apresenta desde o século XII, como mística (em seu conteúdo) e doutrina oculta (em sua forma). Por extensão, emprega-se este nome a quaisquer maquinações secretas entre pessoas que têm o mesmo objetivo.

Na linguagem talmúdica, Qabbalah significa simplesmente “tradição”, e designa os textos proféticos e hagiográficos da Bíblia sem nenhuma conotação mística ou esotérica. Foi somente a partir do século XII que passou a ter um sentido esotérico. Foi exposta, por alguns rabinos, através de alguns tratados, entre os quais, citamos: O Livro da Criação (Yetsirah) e o Livro do Esplendor (Zohar). Tendo boa aceitação, passou a ser usado retroativamente a todos os movimentos judeus.

Para terem maior autoridade, os cabalistas buscam no Velho Testamento a fonte das suas conjecturas filosófico-teológico-cosmogônicas. Exploram as passagens que mais favorecem as suas lucubrações: narrativa genesíaca da criação, visão de Isaías no templo, como divino de Ezequiel, visões apocalípticas de Daniel etc.

A mística, em suas etapas de transcendência, mostra como o ser humano pode entrar em contato direto com Deus. No judaísmo, isto não seria possível, pois Deus já trouxe a Torá ao seu povo eleito. O que fazem, então? Traçam um paralelo entre gnose e os trechos da Bíblia. Observe como é a sua hermenêutica artificial: 1) A Gematria ou Geometria, baseada no valor numérico das letras, procura o significado de uma palavra ou texto noutra palavra ou texto, cujo valor lhe seja equivalente; 2) Notaricon (de nota, indicação) é a disposição das letras indicando as iniciais doutra palavra; 3) Temura (do heb. mur, mudar, substituir) é o modo de procurar um novo significado, transpondo ou substituindo as letras por outras correspondentes à maneira dos anagramas.

Eis outra forma de explicar a sua mística. Deus é em si inacessível. “A luz divina concentra-se e projeta-se em raios que constituem as substâncias emanadas ou Números (Sephirot) que formam os seres intermediários e o mundo. As primeiras duas substâncias são a Sabedoria (Hochma) e a Inteligência (Lógos) que, com Deus, formam as primeiras três hipóstases bem como o mundo invisível que é o modelo do visível. Os dois mundos estão interligados pelo amor: o mundo inferior tende ao superior e, em resposta, a esse impulso, o mundo superior deseja e ama o inferior.” (1)

 (1) ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1970.
ver mais

31 outubro 2012

Origem da Lógica Digital


O início da lógica digital tem a ver com nossos computadores materiais?

Há um pensamento predominante que nos leva a esta tese. Não é bem assim. O início da lógica binária está associada aos cartões perfurados que Joseph Marie Jacquard desenvolveu no ano de 1804 para o seu tear. Nela uma agulha do tear tateava o papel: se encontrasse um furo, a linha era levantada.

Charles Babbage (1791-1871), inspirado nesse mecanismo, começou a desenvolver uma máquina de calcular, controlada pelo programa de cartões perfurados. Devido aos altos custos, suas pesquisas não prosperaram.   

George Boole (1815-1864) dá o verdadeiro passo rumo à lógica binária. Ele queria formular uma matemática que pudesse contar com tudo, não apenas com números, mas também com maçãs e peras. Ele imaginou que o símbolo algébrico x poderia não apenas corresponder a um número, mas também a um objeto qualquer, digamos, um unicórnio. O número 1 representava o universo; o 0, por sua vez, o nada. O 0 correspondia ao falso; o 1, ao verdadeiro.

A descrição do dispositivo do computador (aquele que computa, calcula) é bastante ilusória, pois este, que segue a álgebra booliana com a sua codificação de 0 e 1, não computa. O e 1 não são mais concebidos como números, mas como meta-estados.

Fonte: BURCKHARDT, Martin. Pequena História das Grandes Ideias: Como a Filosofia Inventou nosso Mundo. Tradução de Petê Rissatti. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial, 2011, p. 144 a 148. 
ver mais

23 outubro 2012

Reflexão


A reflexão, fenomenologicamente observada, manifesta-se como um segundo ato de conhecimento (o primeiro é a intenção direta).

Ao evocarmos a intenção direta e o segundo ato, verificaremos que uma noção ampla do juízo em geral e do juízo reflexivo em especial influencia notoriamente o comportamento de um crítico do conhecimento. Sem elo, poder-se-ia perder em afirmações frouxas e superficiais, por ausência de um eixo diretor.

Há, assim, a intenção direta e o segundo ato. A reflexão, propriamente dita, diz respeito ao segundo ato. Mas, se o segundo ato, é uma espécie de repetição da intenção direta, reduziríamos a visão reflexa a uma outra face do mesmo ato. Uma simples abstração nos faria ver separadamente as duas intenções, conduzindo-nos à ilusão final das dualidades dos atos.  

Para que haja a verdadeira reflexão, a intenção direta deve opor-se à reflexão, no sentido de se distinguirem como dois atos efetivamente distintos e não apenas como intensificação um do outro. A simultaneidade proporciona a aparente impressão de que um ato seja a intensificação do outro; a observação cuidadosa nos liberta deste equívoco, conduzindo-nos à consciência de nós mesmos e enaltecendo a nossa racionalidade.

Fonte: Evaldo Pauli, Que é Pensar? Teoria Fundamental do Conhecimento. Santa Catarina: Biblioteca Superior de Cultura, 1964.
ver mais

Os Sofistas


A palavra “sofista”, derivada do grego sophos (sábio) era, na antiguidade, sinônimo de sábio. Com o tempo, o sentido pejorativo ultrapassou o sentido real. Somente na atualidade, o sentido antigo voltou a ser defendido por um movimento, que se denominou “iluminismo grego”.

Sofistas é o termo que se usa para caracterizar um conjunto de pensadores gregos que surgiu na segunda metade do século V a.C. A fundamentação deste conceito reside no fato de eles terem sido os primeiros educadores profissionais (recebiam pagamento pelo ensino) de disciplinas humanas, tais como, política e moral e, principalmente, a retórica.

A democracia grega trouxe uma mudança radical na natureza da liderança: numa assembléia, em que o povo podia tomar decisões, a linhagem não era suficiente. Como a aspiração máxima era a vitória, um político tinha que se desenvolver na arte de persuadir e de convencer as massas, mostrando que a sua era a melhor proposta para governar a cidade, o estado.

Os sofistas davam grande valor aos sentidos. Pergunta: se os sentidos mostram coisas diferentes a diferentes indivíduos, como decidir qual delas está de posse da verdade? A resposta é: a verdade é relativa a cada um. Assim, não há uma verdade absoluta; cada coisa é o que parece ser para cada um. Este relativismo conduz ao ceticismo.

Os gregos pensavam que as leis naturais eram inamovíveis, ou seja, absolutas. A constatação, porém, de que outros povos têm culturas e valores diferentes, levou os sofistas a aceitarem o convencionalismo das leis. A partir desse momento, as leis passam a ser arbitrárias e provisórias, relativas, portanto, à comunidade e ao próprio indivíduo.

Protágoras (480-410 a.C.) foi o sofista mais famoso do seu tempo. Dele vem a famosa frase: “o homem é a medida de todas as coisas, das que são, enquanto são, e das que não são, enquanto não são.” Dele, também, provém a ideia dos raciocínios duplos: “Em toda questão há dois raciocínios opostos entre si”, quer dizer, de cada coisa se pode dar duas versões opostas. Já que não há verdade, um juízo é tão válido quanto o seu contrário.

Sócrates, Platão e Aristóteles achavam os sofistas perigosos para a sociedade. Por isso, elaboraram grande parte de suas concepções como respostas destinadas a desmontar o edifício construído por esses pensadores.

Fonte: Temática Barsa - Filosofia.  
ver mais

15 agosto 2012

Autoconhecimento


O autoconhecimento, embora tenha por objetivo a perfeição do ser humano, visa, em última instância, a exortação da gnose (onde gnothi seauton significa “conhece a ti mesmo”) não passa de um escapismo segundo Martin Burckhardt, em “Pequena História das Grandes Ideias”. Como se explica?

Burckhardt parte da pressuposição de que esta célebre frase começa com uma tragédia, que é o enigma apresentado pela esfinge ao rei Édipo, que pergunta: “Quem pela manhã anda sobre quatro pernas, à tarde sobre duas e à noite sobre três?” A resposta é: bebê que engatinha de quatro, o adulto que fica de pé e o velho que anda de bengala. Ele diz: “Se Édipo conseguisse tirar a esfinge do pedestal com a solução do enigma e livrar Tebas da tirania do monstro, precisaria mais tarde pagar um preço alto por isso. O desejo de autoconhecimento obriga Édipo a enfrentar sua própria culpa. O que ele vê é tão insuportável que o leva a cegar-se com a espada”.

A história do Édipo é um exemplo da corrente de pensamento que se denominava como gnose ou gnosticismo. Como a gnose, porém, passa a ser um escapismo? Quando ela se torna uma religião da razão. Entre os pitagóricos, os números eram a origem de todas as coisas. Os gnósticos não se contentam com a afirmação de Platão de que somos sombra do mundo espiritual. Para eles, o paraíso é aqui e agora. Mas, se é assim, como o ser humano desceu ao vale de lágrimas?  

Diante dessa pergunta, que não mais gira sobre o autoconhecimento, mas sobre a estilização como anjo, entram em cena as duas forças que se combatem: de um lado o ser espiritual, racional e puro; do outro, a carne pecadora. Como se pressupõe que a carne é fraca, quer-se encontrar o vilão de todos os pecados. Daí, o demoníaco, diabolon, antítese da divindade.

Para defender a pureza angélica, os gnósticos de todos os tempos inventaram teorias que davam sustentação aos seus anseios. Muitos gnósticos negaram a corporeidade de Jesus, imputando-lhe um corpo astral. Valentim (c. 160 d.C.) dizia: “Jesus comia e bebia de forma especial, sem excretar a comida. Tão grande era a força de seu poder de evitar a excreção que os alimentos não apodreciam nele, pois ele mesmo era indefectível e incorruptível”. 
ver mais

10 agosto 2012

Lógica

"Podemos ter a imaginação como companheira, mas devemos seguir a razão como nosso guia." (Samuel Johnson) 

Lógica - do grego logos significa “palavra”, “expressão”, “pensamento”, “conceito”, “discurso”, “razão”. Para Aristóteles, a lógica é a “ciência da demonstração”; Maritain a define como a “arte que nos faz proceder, com ordem, facilmente e sem erro, no ato próprio da razão”; para Liard é “a ciência das formas do pensamento”. Poderíamos ainda acrescentar: “É a ciência das leis do pensamento e a arte de aplicá-las corretamente na procura e demonstração da verdade.

A filosofia, no correr dos séculos, sempre se preocupou com o conhecimento, formulando a esse respeito várias questões: Qual a origem do conhecimento? Qual a sua essência? Quais os tipos de conhecimentos? Qual o critério da verdade? É possível o conhecimento? À lógica não interessa nenhuma dessas perguntas, mas apenas dar as regras do pensamento correto. A lógica é, portanto, uma disciplina propedêutica.

Aristóteles é considerado, com razão, o fundador da lógica. Foi ele, realmente, o primeiro a investigar, cientificamente, as leis do pensamento. Suas pesquisas lógicas foram reunidas, sob o nome de Organon, por Diógenes Laércio. As leis do pensamento formuladas por Aristóteles se caracterizam pelo rigor e pela exatidão. Por isso, foram adotadas pelos pensadores antigos e medievais e, ainda hoje, são admitidas por muitos filósofos.

O objetivo primacial da lógica é, portanto, o estudo da inteligência sob o ponto de vista de seu uso no conhecimento. É ela que fornece ao filósofo o instrumento e a técnica necessárias para a investigação segura da verdade. Mas, para conseguirmos atingir a verdade, é preciso raciocinarmos com exatidão e partirmos de dados exatos, a fim de que o espírito não caia em contradição consigo mesmo ou com os objetos, afirmando-os diferente do que, na realidade, são. Daí as várias divisões da lógica.

Assim sendo, a extensão e compreensão do conceito, o juízo e o raciocínio, o argumento, o silogismo e o sofisma são estudados dentro do tema lógica. O silogismo, que é um  raciocínio composto de três proposições, dispostos de tal maneira que a terceira, chamada conclusão, deriva logicamente das duas primeiras chamadas premissas, tem lugar de destaque. É que todos os argumentos começam com uma afirmação caminhando depois por etapas até chegar à conclusão.

Estudemos a lógica, pois não basta conhecer a verdade, é preciso que saibamos refutar os erros. E só o conseguiremos com a exatidão do pensar.

Complemento

Em Platão, temos muitos conceitos religiosos e quase esotéricos. Aristóteles, ao contrário, é um racionalista que procura livrar o pensamento de todos os vestígios míticos. A purificação do pensamento está embasada em sua Lógica. Historicamente, a lógica é precedida pela antilógica, a disciplina que os sofistas batizam como a arte da contradição (antilogike techné). Para Aristóteles, a sabedoria sofista era aparente, irreal, e o sofista ganhava dinheiro com uma sabedoria de aparências, não com a verdadeira. 

Tencionando separar a sabedoria verdadeira da sabedoria aparente, Aristóteles lança o seu Organon, em que esclareceu com maior exatidão o que nos parece quase natural (há entendimento ativo ou passivo, há essência e acidente, etc.), diferenciações que nunca haviam sido feitas antes. Tornou claro o são identidade e casualidade, o que é uma dedução, entre outros. 

Kant pode dizer mais tarde que a lógica desde Aristóteles "não conseguiu avançar nenhum passo, parecendo, dessa forma, finalizada e perfeita em todos os sentidos"  


Este complemento foi extraído de: BURCKHARDT, Martin. Pequena História das Grandes Ideias: Como a Filosofia Inventou nosso Mundo. Tradução de Petê Rissatti. Rio de Janeiro: Tinta Negra Bazar Editorial, 2011.

Extraído do livro Use a Lógica, de D. Q. Mclnerny

Ser uma pessoa lógica pressupõe ter sensibilidade à linguagem e capacidade para usá-la efetivamente, pois lógica e linguagem são inseparáveis. Muitos erros de raciocínio são explicados pelo fato de não prestarmos atenção suficiente à situação em que nos encontramos. Por isso, deveríamos ir direto aos fatos que, objetivamente, podem ser: coisas ou acontecimentos. 

Deveríamos distinguir três componentes básicos no conhecimento humano: primeiro, o fato objetivo (um gato); segundo, a ideia de gato; terceiro, a palavra que usamos para essa ideia, que permite a comunicação (por exemplo, em português, “gato”).

Para uma comunicação eficaz, há algumas diretrizes:

Não suponha que a audiência entende sua intenção se você não deixa isso explícito.
Use frases completas.
Não trate as proposições avaliativas como se fossem proposições de um fato objetivo.
Evite duplicar as negativas.
Prepare a linguagem para a sua audiência. 

ver mais

03 agosto 2012

Ilusão da Mudança


Ao longo do tempo, arquivamos muitas informações e experiências em nosso subconsciente. Nele estão gravados os nossos hábitos e automatismos, tanto bons quanto ruins. O subconsciente somente arquiva. Pode ser comparado ao hardware de um computador, que oferece condições para o funcionamento dos softwares.

Em se tratando do ser humano, devemos considerar o corpo físico e o corpo emocional. O corpo físico é composto de cabeça, tronco e membros. Cada um dos seus órgãos auxilia o funcionamento do todo. O corpo emocional é o que pensa, sente; tem afetividade. Para o corpo físico, o tempo transcorre linearmente, ou seja, uma hora depois da outra; para o corpo emocional, não há essa continuidade, pois para ele passado e presente estão ocorrendo simultaneamente.

Os nossos hábitos e automatismos estão gravados em nosso subconsciente. Por outro lado, estamos constantemente falando de mudança de comportamento. E por que é difícil essa mudança? Ou melhor, por que temos a ilusão da mudança? Recebemos uma informação e formamos uma “máscara” de progresso. Achamos que já vencemos aquele defeito, que não cometeremos mais aquela falta, que... Acontece que o nosso eu verdadeiro está preso ao subconsciente.

Pensamos que mudamos. Acontece que usamos máscaras, as quais conseguem esconder o corpo emocional, mas não conseguimos mudar o verdadeiro efeito que ele exerce em nossa vida.

Eis como Chris Griscom, em O Tempo é uma Ilusão, vê o problema:

“É quase impossível libertar-se dessa rotina cíclica, pois o corpo emocional está ligado ao corpo físico pelo centro do plexo solar. O centro de força do plexo solar estimula o sistema nervoso simpático, que funciona pelo princípio de “fugir ou lutar”. Quando percebemos algo que nos amedronta, os gânglios do plexo solar ficam estimulados e ativam uma mudança da composição química do sangue no cérebro. Isso, por sua vez, cria uma forma de estímulo elétrico com o qual o corpo emocional e o corpo físico vão se viciando cada vez que o episodio se repete. Com o tempo esse esquema se torna imperceptível e deixamos de percebê-lo diretamente, mas continuamos a executar o ciclo”.

Todo esforço tem a sua recompensa, mas se não mudarmos o fundo, tudo o mais não passa de ilusão de progresso, de evolução.  
ver mais

Tradução e Mudança de Significado


Muitas são as palavras que tiveram o seu significado modificado quando passaram para outro idioma.  Eis algumas delas.

Conhece-te a ti mesmo. Em grego, gnothi seauton. Na época de Sócrates, esta frase pretendia estimular as pessoas a tomarem consciência de sua ignorância. Não é sem razão que Sócrates, ao lhe contarem que o oráculo de Delfos dissera que ele era o mais sábio dos homens, respondera: o oráculo disse isso, porque ele é o único que sabe que eu nada sei.  Em latim, nosce te ipsum. Conhecer-se a si mesmo passou a ser um processo de autoconhecimento, com perspectiva de uma mudança comportamental. Um exemplo: Santo Agostinho, todas as noites, repassava o dia para ver como fora em pensamentos, palavras e atos.

Deus Pai. Na mitologia grega, a palavra Zeus significa rei dos céus. Entre os romanos, foi traduzida por Júpiter, que passou a significar Deus Pai. Como o monoteísmo cristão evoca a figura de um único Deus, este também é o Deus Pai. É por esta razão que vemos o Pai como um velhinho de barbas brancas, sentado num trono. Deus, porém, não tem forma alguma. Como, contudo, convencer o crente a adorar algo que não tem forma?

Daimon.  Na época de Sócrates, daimon significava anjo da guarda, espírito protetor, que intervinha somente quando achava que Sócrates não devia fazer alguma coisa, ou seja, adverti-lo de um perigo iminente. Foi traduzido por demônio e, concomitantemente, ligado aos espíritos maus, pertencentes ao reino de Satanás.  
ver mais

31 maio 2012

Novo Cérebro: Mudar Respostas

Problema: Como descobrir as crenças que estão limitando a nossa vida? Como mudá-las para outras mais expansivas?

Russell Ackoff já nos dizia que "A solução errada para o problema certo é anos-luz melhor do que a solução certa para o problema errado". 

Primeiramente, entendamos que há uma profunda diferença entre fatos e crenças. Sobre os fatos, há poucas discordâncias, pois eles procuram mostrar o que a coisa é. Exemplo: o calor dilata o metal. Não há o que discutir, a não ser sobre o grau de temperatura que isso acontece. Os seres humanos acabam entrando em conflito quando discutem crenças. 

Em se tratando de crenças, há as racionais e as irracionais. As crenças racionais são aquelas que nos parecem apresentar argumentos lógicos: Exemplo: A Terra é redonda; o dinheiro facilita a vida; dois mais dois são quatro; o ser humano é constituído de cabeça, tronco e membros. As crenças, ditas irracionais, são aquelas as quais não se consegue chegar a um acordo. Exemplo: Deus Existe?; há vida além-túmulo? 

Vejamos alguns tipos de crenças:

  • "Isto sempre acontece comigo";
  • "Não posso errar";
  • "Devo mostrar que sei o assunto";
  • "Tenho que agradar a audiência";
  • "Preciso fazer mais exercícios físicos". 

Como mudar esses tipos de crenças?

"Isto sempre acontece comigo". É uma visão individual do problema. E se procurássemos saber o que está acontecendo com os outros?
"Não posso errar". Por quê? Não há erro, só há experiência. Além do mais, aprendemos melhor com os erros do que com os acertos. Lembremo-nos no ditado latino: errando corrigitur error (errando, corrige-se o erro)
"Devo mostrar que sei o assunto". Não temos que mostrar a ninguém, a não ser a nós mesmos. 
"Tenho que agradar a audiência". Querer agradar a todos pode desagradar a Deus. 
"Preciso fazer mais exercícios físicos". No estudo da obesidade, há controvérsia sobre os exercícios de educação física. 

Essas lembranças são mais para aguçar a reflexão sobre o nosso  comportamento. O importante é estarmos abertos para a mudança. Deixar o velho causa transtorno, gera inquietação e angústia. Enfrentemos tudo isso  com confiança e determinação. A recompensa virá adiante.
ver mais

29 maio 2012

Dizível e Indizível




Pensamento dizível

Pensamento indizível
Discursivo
Intuitivo
Sucessão de análises e sínteses
Apreensão global do objeto
Compreensão mediata,indireta do objeto
Compreensão imediata, direta do objeto
O objetivo é visto do exterior, segundo pontos de vista, em relação a outros.
O objetivo é visto do interior, nele mesmo, de modo absoluto.
O pensamento distingue-se daquilo que pensa: pensamento desdobrado.
O pensamento faz um só com aquilo que pensa: pensamento unificado.

Quadro usado para agrupar algumas oposições no sentido de marcar a diferença entre as duas formas de pensamento: uma pertence à linguagem; a outra, tende a manter-se sempre estranha.

Ao longo da história da filosofia ocidental, houve sempre a tendência de aceder a uma realidade situada além da natureza, sendo contudo essa mesma realidade incomunicável. O problema consiste pois em fazer aparecer o indizível, como um indizível por excesso – quando há sempre o perigo de que ele seja confundido com um indizível por defeito, um “menos que dizível”.

Fonte de Consulta

GIL, F. (Editor). Enciclopedia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional, 1985-1991.
ver mais

16 maio 2012

Blablablá e Pensamento


De vez em quando, é muito útil verificarmos se a nossa escrita ou os nossos pensamentos não passam de um blábláblá sem fim. Por blablablá, entende-se a conversa sem importância, a conversa fiada ou os “ditos verborrágicos destinados a engabelar a desconfiança”. O blablablá é encontrado, muitas vezes, nos políticos, nos demagogos e nos sedutores.

Para evitar o blablablá, convém fazer como o filósofo amador, que transforma o cogito ergo sum, de Descartes, em “escrevo, logo penso”. Pensar, escrever e ler permite-nos descobrir se aquilo que pensamos é “bem pensado”. Embora não haja um pensamento original, pois tudo o que pensamos já foi pensado antes, a apropriação do pensamento alheio, transformando-o em pensamento próprio, é de grande valia para o nosso exercício filosófico.

Ao escrevermos, não podemos ser tão radicais como os moralistas que, segundo Joubert, são atormentados pela “maldita ambição de por um livro inteiro numa página, uma página inteira numa frase e essa frase numa palavra”. Há casos em que, para nos fazermos entender, o nosso pensamento tem que ser obrigatoriamente prolixo. O que atrapalha a compreensão de um texto não é quantidade de palavras, mas a verborragia das palavras vãs que nada acrescentam ao entendimento de uma questão.

Esses pensamentos foram trabalhados em função do livro: “Sobre o Blablablá e o Mas-Mas dos Filósofos, de Fredric Schiffer que, na Internet, tem o seguinte marketing de venda: Este ensaio, escrito com pena ágil e petulante, surpreende os filósofos em alguns de seus pecados mais comuns: o palavrório e o pedantismo. Armado com o desiludido humor cioraciano, e aguçado por uma lucidez cara a Clément Rosset (que, aliás, assina o prefácio), Frédéric Schiffer investe contra os que denigrem as aparências e preferem refugiar-se em alguma zona inabordável. Ao longo de suas divagações provocativas, reencontramos os ridicularizados sofistas, o diletante Montaigne, o agudo Baltasar Gracián e assistimos ao encontro (feliz) de um pensamento e de um estilo.

Schiffer explica-nos que o blablablá concerne ao campo dos discursos destinados a entorpecer a desconfiança e o espírito crítico; o mas-mas (ou afetação), ao campo dos discursos que têm por vocaçao desvalorizar a vida real em prol da essência. O homem do blablablá enaltece o irreal, é um charlatão. O homem do mas-mas deprecia o real: é um pedante afetado.

Em vista do exposto, a quantas andam o nosso pensamento? Estamos buscando uma certa profundidade ou permanecemos na sua superficialidade?
ver mais

09 maio 2012

Curso de Introdução ao Raciocínio Lógico


O programa visa aumentar a criatividade e inteligência lógica, induzindo o aluno a coletar, classificar, representar e interpretar informações relacionadas ao problema em questão. O Raciocínio Lógico é indispensável para a realização de inúmeras tarefas e é imprescindível na tomada de decisões, constatação de irregularidades e análise de problemas.

Este curso online, dos Cursos 24 horas, traz, além dos conceitos de Raciocínio Lógico, assuntos essenciais para a familiarização da linguagem característica e tão específica do assunto, tais como: “Premissas, Inferências, Conclusão, Argumentos e Proposições” bem como o que são os “Conectivos Lógicos” e suas classificações. Há, também, noções sobre “Cálculos Proporcionais” e “Tabela da Verdade”.

De sua apostila, colhemos duas definições de lógica. 

“O estudo da Lógica é o estudo dos métodos e princípios usados para distinguir o raciocínio correto do incorreto” – Irving Coppi.

"A lógica trata de argumentos, deduções e inferências. Um de seus propósitos básicos é apresentar métodos capazes de identificar os argumentos logicamente válidos, distinguindo-os dos que não são logicamente válidos." - Wesley Salmon

Não nos esqueçamos de que a lógica tem como principal incumbência perceber as diferenças e discernir os raciocínios corretos dos incorretos.

Caso tenha interesse em conhecer este curso, acesse o link abaixo. 

Curso de Introdução ao Raciocínio Lógico 
ver mais

Alcibíades



Platão (427-347 a.C.) descreve, neste texto, um encontro entre Sócrates e Alcibíades, jovem célebre por sua beleza e ambição.

Problemática: Alcibíades justifica seu desejo de poder, não por sua família e suas relações, mas por suas competências. Como bom democrata, acha que o poder (ou a política) resume-se na prática da justiça. Incapaz de definir a justiça, Sócrates vai ao seu encontro e o auxilia, dizendo que a justiça fundamenta-se no conhecimento de si mesmo.

As Teses

O saber necessário à política: “conhece-te a ti mesmo”. O conhecimento de si mesmo é essencialmente a tomada de consciência da própria ignorância. É, também, saber distinguir o que nos pertence daquilo que nos é adventício. “Conhecer-se a si mesmo é distinguir-se do que pertence a si mesmo, repor cada coisa em seu justo lugar”.

Para governar cidadãos, é preciso governar a si mesmo. Aquele que governa a si mesmo adquire a virtude, porque aprendeu a cuidar de si mesmo. Esta virtude lhe dá condições de governar os outros, porque não o fará em beneficio próprio, mas por causa do bem comum.

Partilhar a virtude com os cidadãos. A política é muito mais arte do que ciência. É a arte de equilibrar os desejos e ambições dos cidadãos. Ele merece reinar porque cria laços de amizade com os cidadãos. “Uma cidade governada por um homem virtuoso e livre (nem escravo nem tirano) é bem mais sólida do que uma cidade defendida por armas ou riquezas”.

Fonte de Consulta

CAMUS, Sébastien et al. 100 Obras-Chave de Filosofia. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 2. ed., Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.
ver mais

12 abril 2012

14 março 2012

Ressentimento: Nietzsche e Scheler


Ressentimento. Ato ou efeito de ressentir-se. Diz respeito ao sujeito que está magoado, aquele que se melindra com facilidade ou que sofreu os efeitos de abalo, dano ou moléstia. Em espanhol a palavra correspondente é remordimiento e define-se como a amarga e arraigada lembrança de uma injúria particular, da qual se deseja tirar satisfações. Pode-se dizer que seu sinônimo é a palavra rancor, palavra esta que vem do latim e que quer dizer queixa, querela, demanda. Já em francês, ressentiment traz em sua etimologia a repetição de uma vivência cuja qualidade da emoção é hostil.

Nietzsche e Scheler dizem que o ressentimento é o principal obstáculo ao amar ao próximo como a si mesmo. Embora haja problemas da tradução do alemão para o português, percebemos que esta palavra assume vários significados, tais como, rancor, repugnância, acrimônia, má vontade, contrariedade, despeito e nocividade. Embora usem o mesmo termo, referem-se a tipos diferentes de hostilidade.

Para Nietzsche, ressentimento é aquilo que o abatido, o desprovido e o pobre sentem pelos seus “superiores”, os ricos. Pode-se dizer que a causa mais profunda está na “dissonância cognitiva”, em que as pessoas buscam uma sensação de equilíbrio entre suas crenças, atitudes e comportamentos. Exemplificando: reconhecer os direitos de seus “superiores” seria equivalente a aceitar a sua própria inferioridade. O ressentimento é uma mistura de genuflexão e acrimônia, mas também de inveja e despeito.

Max Scheler, ao contrário de Nietzsche, acha que o ressentimento surge entre os iguais. Nietzsche interpreta o ressentimento como uma luta contra a desigualdade e uma pressão para se nivelarem por baixo as hierarquias existentes; Scheler, por seu turno, acha que as pessoas lutam para chegar ao topo e atirar os outros para baixo. As pessoas partem do seguinte princípio: “Minha liberdade é limitar a liberdade dos outros que desejam chegar ao mesmo ponto”. Scheller conclui que ressentimento resulta em competição, numa luta contínua pela redistribuição de poder e prestígio, reverência social e dignidade socialmente reconhecida.

Saibamos sacrificar tudo, inclusive o sentimento do ressentimento, pois ele é um grande empecilho para a nossa evolução moral e intelectual.

Fonte de Consulta

BAUMAN, Zygmunt. A Ética é Possível num Mundo de Consumidores? Tradução de Alexandre Werneck. Rio de Janeiro: Zahar, 2011, capítulo 1.
ver mais

18 fevereiro 2012

O Corpo Humano Segundo Alguns Filósofos

Para Sócrates, o filósofo deseja morrer. O sábio deseja apressar a libertação da alma espiritual do cárcere corpóreo, não prolongando a vida eternamente.

Para Platão, os gêneros sexuais eram três, ou seja, masculino, feminino e o andrógino, um ser dotado de órgãos sexuais, masculinos e femininos. “O amor homossexual é antes preferível ao heterossexual, porque não voltado à procriação e, portanto, mais inclinado a um desenvolvimento no sentido puramente espiritual”.  

Para Agripa, o homem é um cosmo em miniatura. No final da Idade Média e no Renascimento afirmou-se a ideia de uma equivalência estrutural entre o ser humano e o cosmo. “O homem, síntese viva da inteira natureza, possui em si todos os elementos da criação: é terra, água, ar, fogo (inteligência), participa tanto do mundo animal quanto do espiritual mundo angélico. Pode-se chegar ao universo partindo do homem, e vice-versa”.

Para Paracelso, o corpo humano é um sistema químico. “O corpo humano, efetivamente, deve ser considerado como um sistema químico, passível de cura por meio de minerais como o enxofre, o mercúrio, o sal. Apesar de fundamentarem-se, ainda, em crenças mágicas, alquímicas e ate astrológicas, essas ideias marcam o inicio da medicina moderna”.

Para Morus, o homem deve ter direito à eutanásia. “Uma das reformas, previstas por Tomás Morus diz respeito à licitude da eutanásia, ou seja, ao direito de o moribundo terminar dignamente a sua vida, pondo fim, com o suicídio assistido, a sofrimentos não curáveis pela ciência médica”.

Para Descartes, o corpo humano assemelha-se ao modelo hidráulico. Explica-o através da metáfora da fonte: “o corpo atua segundo os mesmos princípios que regulam o funcionamento dos mecanismos hidráulicos que, nos jardins mais admirados, movimentam água e estátuas”.

Para Schopenhauer, sentir-se um corpo vivente, é o único conhecimento essencial ao ser humano. “Refletindo sobre a própria corporeidade é fácil descobrir que a essência do Eu consiste na vontade de viver”.

Para Bérgson, o corpo está entre o passado e o futuro. “O corpo enquanto matéria modificada pelo tempo constitui uma espécie de memória biológica, um arquivo da experiência passada. Mas, enquanto sistema de necessidades voltado para a ação, o corpo é também projeção em direção ao futuro”.

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.

ver mais

O Homem Segundo Alguns Filósofos

Para Platão, o corpo é obstáculo ao conhecimento. “O corpo, e tudo o que ele significa (percepção, paixão, instinto, emoção), deve ser anulado para que a razão seja exercitada. Tudo aquilo que não é pura espiritualidade racional pode ser descrito em termos de patologia da alma”.

Para Ficino, o homem é copula mundi, o centro do universo. “O homem é o termo médio (cópula), o centro, uma entidade intermediária na hierarquia da criação, a meio caminho entre o animal e o anjo”.  

Para Pico Della Mirandola, o homem é um camaleão. “A doutrina do homem camaleão, pela qual o homem não possui uma virtude específica, mas contém em si todas as qualidades de todos os outros seres viventes, é de alguma maneira compatível com a teoria oriental da metempsicose, segundo a qual as almas dos mortos se reencarnam em outros corpos, humanos ou animais”.  

Para Descartes, o homem se resume no penso, logo existo. “Depois de ter duvidado de tudo, só uma coisa permanece não discutível: quem duvida pensa, é um ser pensante”.  

Para Pascal, nada somos para o infinito. Defende a tese do realismo trágico: “O homem é uma estranha mescla de louvável grandeza e reprovável miséria, um paradoxo lógico, um monstro incompreensível até para si mesmo”.

Para Nietzsche, o Super-Homem é o sentido da terra. “O Super-Homem está além da racionalidade, despreza todo valor ético, vive num mundo dionisíaco, reconhece o engano inerente a todas as filosofias, percebe o passar do tempo como o eterno retorno. O homem atual é somente uma fase de passagem, é uma corda estendida sobre um abismo, entre o feio de que se origina e o Super-Homem para o qual tende”

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.
ver mais

A Realidade Segundo Alguns Filósofos


Para Heráclito, não nos banhamos duas vezes no mesmo rio. Nada existe de estável e definitivo na natureza; tudo muda continuamente. Cada coisa é e não é, ao mesmo tempo. Nós mesmos somos e não somos, porque existir, viver, significa tornar-se, ou seja, mudar a própria condição atual por uma outra.

Para Parmênides, o ser é uma esfera bem redonda. “Os atributos do ser não podem ser encontrados por via experimental ou sensorial, mas deduzidos com coerência lógica do próprio conceito de ser”.

Para Aristóteles, a estrutura interna de cada coisa depende de seu fim. “Entre as quatro causas possíveis, identificáveis como a origem de qualquer coisa, destaca-se pela importância a causa final: aquilo que, em última análise, faz as coisas serem como são é a finalidade para a qual nasceram”.

Para Galileu, deve-se indagar a natureza para descobrir as suas verdadeiras leis. “Isso só é possível adequando a mente humana ao específico caráter matemático e geométrico com que o grande livro da natureza foi escrito por Deus. A matemática, portanto, constitui a linguagem específica da ciência”.  

Para Leibniz, a Mônada é o elemento constitutivo da realidade. “A Mônada não é matéria, mas energia, força viva no estado puro, ou seja, o superior princípio que torna vivas e operantes as leis físicas da natureza”.

Para Hegel, o real é racional e o racional é real. Na primeira parte do aforismo, Hegel afirma que “o mundo não é um amontoado caótico de substâncias, mas o desdobramento progressivo de uma espiritualidade racional (chamada respectivamente de Absoluto, Espírito, Ideia, Razão, Deus), que se exprime inconscientemente na natureza e conscientemente no homem”. Na segunda parte, segundo a qual a racionalidade coincide com a realidade, indica que a “razão não exprime uma abstração, um dever-ser ideal ou utópico, mas a estrutura profunda do mundo real”.

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.
ver mais

17 fevereiro 2012

A Substância Segundo Alguns Filósofos

Para Parmênides, afirmar uma negação é incorrer em erro lógico. “Como passagem de uma condição de ser a uma de não-ser, toda mutação, qualquer que seja a sua espécie, é sempre pura aparência: a verdadeira estrutura do mundo consiste em um ser imutável e eterno”. 

Para Aristóteles, a metafísica é necessária, é a ciência do ser. Todas as ciências precisam de uma filosofia primeira que é a metafísica. “A medicina estuda o ser enquanto corpo vivo, a política estuda o ser da sociedade, a ética o ser como ação, a matemática, o ser como quantidade; somente a filosofia estuda o ser enquanto ser, em abstrato e independentemente de qualquer determinação particular”.

Para Descartes, a dúvida metódica conduz-nos à existência de um sujeito espiritual, capaz de produzir pensamento: ao lado da substância pensante (res cogitans), existe a substância material (res extensa). Pensa que o único modo de demonstrar a existência do mundo material consiste em refletir sobre a existência de Deus. “Logo, ao lado da espiritual, existe também uma realidade material, que se caracteriza por ser extensa ao espaço. Res cogitans e res extensa, espírito e matéria, mente e corpo, são as duas substâncias metafísicas do real”.

Para Leibniz, a mônada é um átomo espiritual. Para entendê-la, deveríamos compará-la à mente humana. A mônada é “um microcosmo, um espelho vivo do universo para o qual tudo é, ao menos potencialmente, inteligível. Como um verdadeiro átomo espiritual, possui todas as características da espiritualidade: percebe – ou seja, conhece o mundo a partir de um particular ponto de vista – e apetece, ou seja, deseja –, tendendo sempre à realização de um fim, de um projeto".

Para Spinoza, Deus é substância: para existir não precisa de nada. Partindo da definição clássica do conceito de substância como aquilo que não precisa de nada para existir, ele conclui que: 1) só uma substância pode existir (monismo); 2) tal substância deve ser Deus; 3) a matéria e o espírito não devem ser considerados substâncias, mas sim atributos (manifestações) da única substância; 4) a substância divina é livre – porque age somente sob o impulso da necessidade da sua natureza – e eterna; 5) sendo única, tal substância não admite nada fora de si mesma e, portanto, deve compreender o mundo inteiro.

Para Hume, a substância é um feixe de percepções. “No âmbito do pensamento empírico, voltado para a concretude da experiência, devemos concluir que na realidade existem somente determinadas qualidades particulares dos objetos que a mente, depois de apreendê-los separadamente, reagrupa e liga um termo lingüístico para facilitar a memória e a comunicação”.  

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.
ver mais

O Significado de Conhecer Segundo Alguns Filósofos

Para Platão, conhecer é buscar o que se ignora. Recorrendo à doutrina da reminiscência, diz que conhecer é, para a alma, lembrar o que já sabia antes de encarnar num corpo.

Para Aristóteles, a estrutura interna de cada coisa depende de seu fim. “Entre as quatro causas possíveis, identificáveis como a origem de qualquer coisa, destaca-se pela importância a causa final: aquilo que, em última análise, faz as coisas serem como são é a finalidade para a qual nasceram”.  

Para Cusa, conhecer é estabelecer uma proporção entre o conhecido e o desconhecido, entre o que se conhece e o que se vai conhecer. Por isso, “o processo de acréscimo do conhecimento deve ser lento e gradual; os objetivos de qualquer investigação cognitiva não podem ultrapassar muito o nível atual dos conhecimentos”.

Para Bacon, devemos estudar os erros para evitá-los. “O engano muitas vezes é decorrência da presença, no intelecto humano, de uma série de ídolos, ou seja, de crenças inconscientes, suposições, prejulgamentos e preconceitos que condicionam a aquisição do novo saber”.

Para Kant, o ato cognitivo não é uma adequação da mente ao objeto conhecido. São os esquemas mentais, que funcionam como filtros, já presentes na mente que determinam o que podemos conhecer do objeto. Assim, “no centro da filosofia do conhecimento devem ser postas essas formas a priori da mente, universais e necessárias”.

Para Fichte, cada Eu se põe a si mesmo. O inteiro sistema do saber funda-se em um ato de espontânea, intuitiva e incondicionada autocriação do sujeito pensante. “A validade de um ato cognitivo não depende mais de uma presumida correspondência entre o objeto pensado e o objeto pensante, mas funda-se numa atividade totalmente interior do sujeito e independente do mundo”.

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.
ver mais

Como se Deve Viver Segundo Alguns Filósofos

Para Aristóteles, a virtude está no justo meio. A capacidade em dispor as coisas pelo justo meio adquire-se pelo exercício, em se excluem os vícios do excesso e da escassez. A coragem, por exemplo, é a virtude média entre a temeridade e a covardia.

Para Diógenes, a vida é simples. Entendia a sabedoria como uma recusa da vida comum. Foi o primeiro de uma lista de filósofos que: “munidos de um manto e de uma tigela, orgulhoso de sua pobreza, perambulavam como mendigos pelas cidades da Grécia pregando o ascetismo, o retorno à vida natural, o desprezo pelas comodidades”.  

Para Epicuro, o objetivo da vida feliz é o prazer. Há necessidade de separarmos o falso prazer do verdadeiro. Acha que “a solução mais sábia está em submeter a busca da felicidade ao juízo da razão. É preciso, portanto, eliminar os medos inúteis (da morte, dos deuses, da dor), moderar as necessidades de modo que o seu gozo não se transforme no contrário e, principalmente, ter como meta a tranquilidade de espírito, a serenidade”.

Para Zenão de Cítio, o ser humano devia viver conforme a natureza, ou seja, conforme a virtude. “Assim como o animal é inevitavelmente guiado pelo instinto, o homem deve fazer-se guiar pela razão, porque nesta reside a sua íntima natureza. Isso significa que o homem sábio deve evitar qualquer forma de paixão”.

Para Sêneca, há vantagem em ser espontâneo. Seguir a razão não significa tornar-se escravo da racionalidade; buscar o crescimento espiritual não significa desprezar o corpo. “Simplicidade, espontaneidade, presteza são qualidades do sapiente, ou seja, daquele que se aceita pelo que é. Ao contrário, a ansiedade, a artificialidade de comportamentos, o frenesi de viver sem descanso, o desejo de viajar sem destino são sintomas patológicos de uma personalidade que não aceita a própria natureza”.

Para Marco Aurélio, a fonte do bem está na máxima: Olha dentro de ti: aí se encontra a fonte do bem, sempre capaz de jorrar, se souberes sempre cavar em ti mesmo. “A filosofia consiste na reflexão sobre a existência, na indagação interior, na meditação sobre a vida. O lugar onde se vive e o papel social não têm a menor importância”.

Para Morus, quando todos trabalham, todos trabalham menos. Em sua ilha da Utopia, “Todos os cidadãos são iguais entre si, todos se revezam nos trabalhos de agricultura e artesanato, e o trabalho é dividido de tal forma que impede o surgimento de diferenças sociais”.

Para Hume, as escolhas morais fundam-se no sentimento. Os comportamentos dos indivíduos estão mais sujeitos ao sentimento do que à razão. “Na realidade, seguimos as regras de moralidade e de justiça não com base em deduções abstratas, mas segundo um sentimento específico da sua utilidade coletiva”.  

Para Kant, um comportamento pode ser considerado moral quando é universalizável. Por isso, a crença no imperativo categórico, ou seja, no comportamento que se prende a uma norma que ultrapassa o caso concreto, a utilidade ou o interesse pessoal.

Para Fichte, o dogmatismo ou idealismo depende do caráter do sujeito. A escolha não é feita segundo um convencimento racional, mas segundo as qualidades morais do sujeito. “quem é idealista, interiormente livre, professa o idealismo e vive em mundo efetivamente livre; quem é dogmático, ao contrário, acredita viver em mundo dominado pela necessidade objetiva somente porque, dentro de si, já é desprovido de amor pela liberdade”.

Para Schopenhauer, a única solução é esquecer que se existe. De acordo com o seu pensamento, a vontade de viver condiciona todos os aspectos da existência, produzindo alternadamente sofrimento e tédio. Para combater a vontade de viver, “aconselha o silêncio, o jejum, a castidade, a renúncia sistemática, a fuga temporária da realidade por meio da arte ou de práticas orientais de meditação”.

Fonte de Consulta

NICOLA, Ubaldo. Antologia Ilustrada de Filosofia: das Origens à Idade Moderna. Tradução de Margherita De Luca. São Paulo: Globo, 2005.
ver mais