12 março 2010

Não-Dualidade e Fim do Sofrimento

Aristóteles, na antiguidade, desenvolveu um sistema inteiramente dualista, denominado de “lei do meio excluído”, em que tudo no mundo ou é preto ou é branco, negando qualquer outra possibilidade. Daí, a frase: “Quem não estiver comigo está contra mim”. Bush, presidente dos Estados, também incorreu neste erro, quando disse: “Quem não estiver conosco está com os terroristas”. Esta visão dualista de interpretar a realidade propiciou o aparecimento dos hábitos mentais egocêntricos, a principal causa de todo o sofrimento.

Buda, há 2.500 anos, em suas tentativas de iluminação, já nos alertava para a supressão de todo o sofrimento. Os seus ensinamentos se basearam nas Quatro Nobres Verdades, em que destaca a natureza, a causa, a supressão e o caminho para a supressão do sofrimento. No caminho da supressão do sofrimento, ele enfatiza o Nobre Caminho Óctuplo: entendimento correto, pensamento correto, linguagem correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção plena correta e concentração correta.

Buda salientou que os padrões egocêntricos das nossas mentes, tais como o julgamento dos outros e o apego às coisas, são a origem das patologias humanas. Como a humanidade seguiu o caminho aristotélico – certo ou errado, bom ou mau e santo ou pecador – quase todo o sofrimento está na nossa mente: sentimento de culpa por algo feito no passado ou uma grande ansiedade por aquilo que está por vir, o que gera medo e desejo de vingança.

Deduz-se, dos ensinamentos de Buda, que cada um nós deveria transcender a ilusão de uma individualidade separada e penetrar na consciência cósmica, onde inexiste ofensa, ódio e rancor e, conseqüentemente, o desejo de vingança que desses estados dimana. Essa consciência cósmica só poderá ser alcançada quando toda a humanidade estiver cônscia do pensamento correto, aquele que nos leva à verdade de uma realidade.

Por fim, salienta-se que o desenvolvimento da compaixão é um passo firme no caminho que nos leva ao fim do sofrimento. Não é sem razão que a maioria das religiões evoca esta palavra como a principal bandeira do progresso moral e religioso. Assim, quando a humanidade toda estiver pondo em prática esse código de conduta, estaremos nos aproximando da lei áurea ensinada por povos e culturas de todo o mundo: “Fazer aos outros o que gostaríamos que os outros nos fizessem”.

Extinguindo o ódio, o rancor e a vingança, o sofrimento deixará de existir, pois ele está mente daquele que se sente ultrajado e ofendido.

Fonte: HURTAK, J.J. e TARG, R. O Fim do Sofrimento: Vivendo sem Medo em Tempos Difíceis - ou como Sair Livre do Inferno. Tradução da Academia para Ciência Futura. São Paulo: Ícone, 2009.


ver mais

09 março 2010

Consciência: Algumas Notas

Consciência é um conhecimento concomitante ou cumulativo. Concomitante significa que se manifesta simultaneamente com o outro; cumulativo, que acrescenta. A consciência se dá no momento em que o indivíduo vivencia uma dada situação. Os sentidos do observador captam o objeto. Ao captar o objeto, ocorre a concomitância e a cumulação.

No seu desdobramento, que se dá a certa distância do ato vivenciado, surge a consciência reflexa. Assim, há a consciência direta e espontânea e a indireta ou reflexiva, que é a incidência da reflexão sobre os próprios atos internos. A reflexão não torna consciente o que antes não o era. É muito mais um ato isolado e explicativo.

Quando o espírito, pelo poder de reflexão, volta-se para si mesmo e vivencia o seu próprio ato, baseado nos primeiros princípios do ser, da verdade e do bem, temos a consciência moral. Depreende-se, assim, que o verdadeiro conhecimento de si mesmo não é contemplação desinteressada, mas um apelo ao dever pela prática da ação livre e responsável.

Há também a liberdade de consciência, que é o direito de professar as próprias convicções morais e religiosas, em que há ausência de toda e qualquer coação externa em matéria de moral e religião.

Segundo Manfred Frank, em Self-consciousness and Self-knowledge, a relação entre consciência, autoconsciência e autoconhecimento é a seguinte:
  • Consciência pressupõe autoconsciência. Não há como alguém estar consciente de alguma coisa sem estar consciente de estar consciente dessa coisa.
  • A autoconsciência é pré-reflexiva. Se a autoconsciência fosse o resultado da reflexão, então só teríamos autoconsciência após termos consciência de alguma coisa que fosse dada à reflexão. Mas isso não pode ser o caso, pois, como dissemos antes, consciência pressupõe autoconsciência. Logo, a autoconsciência é anterior à reflexão.
  • Autoconsciência e consciência são distintas logicamente, mas funcionam de maneira unitária.
  • O autoconhecimento – isto é, a consciência reflexiva ou consciência de segunda ordem – pressupõe a consciência pré-reflexiva, isto é, a autoconsciência.
De acordo com o esquema acima, a autoconsciência é o elemento fundamental da consciência. Sem ela não há consciência nem reflexão sobre a consciência.

Fonte de Consulta

POLIS - ENCICLOPÉDIA VERBO DA SOCIEDADE E DO ESTADO. São Paulo: Verbo, 1986.


ver mais