02 julho 2008

Princípios Filosóficos e Científicos

Há muitas leis, denominadas universais, porque são aplicadas em qualquer momento e em qualquer lugar. Nosso propósito, neste artigo, é discorrer brevemente sobre pelo menos quatro delas, a saber: princípio da razão suficiente, princípio da interação ou causalidade dialética, princípio do determinismo relativo e princípio da mudança.

O Princípio da Razão Suficiente diz o seguinte: "Tudo o que existe tem sua razão de ser. Nada acontece sem causa real e natural ". Quer dizer, nossas ações devem estar desprovidas da atitude fechada com relação às coisas. Nesse sentido, o dogma de que Deus criou do nada o homem e toda a natureza não é válido para o pensador racional. É preciso penetrar na essência das coisas para daí tirar o conhecimento real e necessário. Em outras palavras, devemos buscar as causas antes de emitir juízo de valor sobre os fatos.

O Princípio da Interação ou Causalidade Dialética mostra que, na natureza como na sociedade, tudo está relacionado com tudo. A fome no Hemisfério Norte é também fome no Hemisfério Sul. A dor do vizinho é também a nossa dor. O desemprego do próximo é também o nosso desemprego. O tudo influencia tudo mostra que a causa transforma-se em efeito e o efeito reverte-se em causa. Observe, por exemplo, a briga entre casais. Quem foi que deu a primeira alfinetada? Podemos até culpar o outro, mas no âmago da reflexão, fica difícil saber quem começou?

O Princípio do Determinismo Relativo mostra que nos fenômenos sociais o determinismo é objetivamente necessário, mas subjetivamente contingente. Contingente, porque pode ou não suceder, ou seja, não é obrigatório acontecer, visto depender da vontade humana. Embora haja o determinismo absoluto, o homem dispõe do livre-arbítrio, isto é, da sua vontade que o faz ceder ou resistir aos acontecimentos. Na Física, se largo uma pedra ela vai ao chão por causa da Lei de Gravidade. Na sociedade, não é tão simples. É preciso estudar os diversos tipos de comportamento - psicológico, religioso, econômico etc. - ligados muitas vezes a uma única ação.

O Princípio da Mudança mostra que tudo na natureza está em transformação permanente. No âmbito do ser humano, a mudança atende perfeitamente à teoria espiroidal ou helicoidal. Segundo essa teoria a mudança não é nem linear (isto é, uma linha reta de progresso ilimitado) nem circular (isto é, depois de um certo tempo volta ao ponto de partida formando um ciclo fechado), mas a síntese dialética das duas antíteses, ou seja, do progresso linear e do progresso circular.

Do estudo ora encetado, resta-nos o consolo do tempo, que tudo modifica para a realização de nosso projeto de vida.

Fonte de Consulta

BAZARIAN, J. Introdução à Sociologia - As Bases Materiais da Sociedade. 2. ed., São Paulo, Alfa-Omega, 1986.

São Paulo, 25/11/1998

Nenhum comentário: