30 junho 2008

Fascínio dos Números

Os números sempre exerceram um fascínio muito grande sobre os seres humanos de todos os tempos. De acordo com sua definição, número significa divisão. Esta divisão engloba o zero, o um e o infinito. O relacionamento entre essas três grandezas nos mostra o caráter metafísico e divino do número. A Bíblia nos diz que Deus ordenou todas as coisas "segundo o número, o peso e a medida". Para Pitágoras, "todas as coisas eram números e qualquer número era uma divindade".

A matemática, pela sua exatidão, é aplicada tanto em ciência como em filosofia. Observe que o adequatio rei et intellecto, dos escolásticos, pressupõe a perfeita relação entre a coisa observada e o sujeito observador. Descartes elogia a matemática nos seguintes termos: "Eu não incluo, em minha física, outros princípios que não aqueles que aceito em matemática". Hegel, por sua vez, afirma: "Nada há de real além do racional e nada há de racional além do real". Galileu via no mundo "um livro escrito em linguagem matemática".

A cifra e o número. A palavra cifra é a representação do número, é um grafismo. O número é uma entidade real (idéia). Quando falamos em decifrar, estamos querendo tornar visível uma realidade secreta. Há um simbolismo que quer se mostrar, mas para isso precisamos "quebrar" a cifra, ou seja, decifrar o símbolo, desvendar o mistério. A ciência oculta nada mais é do que a decifração de símbolos, consoante a frase evangélica: "Nada existe de oculto que não deva ser descoberto, nada de secreto que não deva se tornar conhecido".

O número três exprime uma ordem intelectual e espiritual, em Deus, no cosmo ou no homem. Sintetiza a triunidade do ser vivo. De acordo com os chineses, o três é um número perfeito, a expressão da totalidade, da conclusão: nada lhe pode ser acrescentado. É a conclusão da manifestação: o homem, o filho do Céu e da Terra. Para os cristãos, é a perfeita unidade divina: Deus, filho e Espírito Santo. A trindade egípcia manifestava-se através de Osíris, Íris e Horus. No hinduismo, a manifestação divina é tripla (Trimurti): Brama, Vixenu, Xiva.

Os números estão presentes no som, na palavra, na música. As notas musicais - dó, ré, mi, fá, sol, lá, si – nada mais são do que números. Diz-se, inclusive, que podemos medir as vibrações do Universo. São João disse: "No começo era o Verbo". Quer dizer, no começo era o som, a vibração, o número. Para Raymond Abellio, "toda a meditação sobre a ciência dos números é também meditação sobre a origem da linguagem".

Esperamos que esta pequena reflexão sobre o fascínio dos números possa estimular, em cada um de nós, a justa medida para todas as coisas: ver cada coisa com o peso que lhe é devido.

Fonte de Consulta

CHABOCHE, François-Xavier. Vida e Mistério dos Números. Tradução de Luiz Carlos Teixeira de Freitas. São Paulo: Hemus, s.d.p.

Nenhum comentário: