27 junho 2008

Ciência

A ciência propriamente dita não existe, mas as ciências: física, biologia, química, engenharia etc. Oficialmente, as ciências apareceram quando um determinado ramo do conhecimento adquiriu objeto próprio de estudo, desprendendo-se do grande ramo da Filosofia. Na realidade, as ciências só apareceram a partir do século XVI. Até então, tudo era Filosofia, pois o seu objeto de estudo era a Ontologia, a Cosmogonia, a Lógica, a Axiologia ou teoria dos valores etc.

Oficiosamente, porém, a ciência já estava presente na Antiguidade grega. Tales de Mileto e Pitágoras, no século VI a.C., desejavam um saber que apresentasse provas e se organizasse em sistemas. Nesse sentido, a Astronomia encontrou o seu próprio caminho: a observação rigorosa e a criação de modelos matemáticos. Por que a ciência grega da antiguidade não progrediu tanto como a ciência da época atual? Em 1.º lugar, porque eram especulativos; em 2.º lugar, porque não tinham instrumentos adequados para registrar e organizar todas as suas descobertas.

A obscuridade da Idade Média dificultou também o voo das ciências. A religião, a grande dominadora, inclusive da Filosofia, punha os seus cabrestos em toda a criatividade, em toda a inovação. Qualquer coisa que se descobrisse tinha que passar pelo crivo da Igreja, detentora de todo o saber. Aqueles que desobedecessem as suas ordens eram lançados ao fogo. Conseqüentemente, muitas descobertas científicas não frutificaram porque o veto religioso inibia a sua divulgação.

A partir do século XVI, o progresso científico retoma o seu vigor, fornecendo às ciências a conciliação entre a teoria e a experimentação. Com Galileu (1564-1642), além da observação e da criação de modelos, acrescentou a organização da experiência e o desenvolvimento de aparelhos. Os instrumentos foram os grandes auxiliares no desenvolvimento de todas as ciências. Da luneta de Galileu ao telescópio Hubble, muitas informações foram acrescentadas ao estoque de conhecimento da humanidade. O que seria do mundo hoje, sem o computador, sem os recursos da informática?

Os avanços da ciência coincidem com o aparecimento do capitalismo. Há o lado positivo, pois hoje é quase impossível viver sem as ciências. Contudo, embora não possamos ficar sem as ciências, há taras a denunciar. A sede pela intervenção e pela produtividade gerou a sociedade de consumo, aumentando drasticamente as desigualdades de renda entre os mais ricos e os mais pobres. Tanto no Ocidente como no Oriente, a ciência esta cada vez mais sujeita à não-razão do Estado, que busca a violência, o domínio e a guerra.

Saibamos analisar os prós e os contras. Somente assim teremos condições de formar uma visão mais realista do mundo que nos cerca. De posse desta virtude, estaremos livres do dogmatismo e do ritualismo, tão prejudicais ao desenvolvimento integral do ser humano.

Fonte de Consulta

POLIS - ENCICLOPÉDIA VERBO DA SOCIEDADE E DO ESTADO. São Paulo: Verbo, 1986.

São Paulo, 02/04/2004

Nenhum comentário: