09 junho 2008

Aprender a Desaprender

Aprender a desaprender é uma atividade que merece todo o nosso cuidado. Com o passar do tempo, percebemos um sem-número de introjeções em nossa maneira de pensar e de agir. Uma delas pode perfeitamente se referir aos livros. Dizem-nos: você tem que ler isso, você tem que ler de tudo, você tem que saber o conteúdo de tais e tais livros. Essa postura do ter de ler leva-nos a abarrotar a nossa biblioteca e, consequente, o nosso cérebro, dificultando a invenção, a criação.

Desaprender é jogar no lixo o que não nos serve mais. Juntamos um livro aqui, uma revista ali, um artigo acolá e, pronto, a nossa biblioteca fica repleta. Olhamos para ela e verificamos que não sobra espaço para mais nada. Acrescentamos uma nova estante e, em pouco tempo, fica cheia de novo. O mesmo acontece com o nosso cérebro, que também fica saturado de informações. Pensamos: preciso eliminar alguma coisa, esvaziá-lo. Aí está o problema. No momento em que estamos prestes a nos desfazer de algo, surge a lembrança de quem o deu, e recuamos. Dizemos para conosco: o que essa pessoa pensaria de mim vendo o seu presente ir para o cesto de lixo?

Desaprender é saber dizer não. Quantas não são as vezes que dizemos “sim” e nossa vontade era a de dizer “não”. Nosso chefe, no escritório, pede para fazermos isso, depois aquilo e assim por diante. Às vezes somos obrigados a levar serviço para casa, nos fins de semana, a fim de atender ao seu pedido, o que nos deixa estressados. Por medo ou covardia, não sabemos dizer a ele que a quantidade de trabalho extrapola a nossa capacidade física e mental. O estresse, porém, continua a aumentar. Um “não” muito demorado pode ser fatal para o nosso equilíbrio físico e espiritual.

Desaprender é fazer as mesmas coisas, mas de modo diferente. Este é um apelo à criatividade e à liberdade do espírito. Dependendo do método adotado pelo professor, uma aula pode ser chata ou produtiva. Se o professor, na época moderna, continuar com o método da Idade Média, em que só ele sabia e os alunos eram ignorantes, a aula poderá se tornar chata. Contrariamente, adotando uma postura liberal, poderá torná-la produtiva, com a participação espontânea dos alunos.

Desaprender é pensar pela própria cabeça. Nesse caso, convém verificarmos se está havendo equilíbrio entre a nossa produção literária e a informação que estamos buscando dos outros. É preferível errar pela falta do que pelo excesso de dados externos. Lembremo-nos de que educar é deseducar no sentido de eliminar o que de errado se aprendeu em outras épocas. O ser humano culto não é aquele que sabe o conteúdo de todos os livros, mas aquele que sabe se situar no meio deles.

Desaprender implica aprender com segurança e produtividade. A verdade é uma só. Busquemo-la com todas as forças de nossa alma. Somente ela é capaz de nos libertar, como asseverava Cristo em suas prédicas.

Nenhum comentário: