09 setembro 2006

Mudança Comportamental

A cada momento do dia estamos sujeitos a inúmeros focos de irritação: é o vizinho que faz barulho até altas horas da noite; o colega de trabalho que vai à reunião e não desliga o seu celular; a pessoa que nos pede algo emprestado e nunca mais devolve. Como convivemos com essas situações? Estamos sempre estressados ou não ligamos para esses acontecimentos? 

Comportamento. “Porto”, em latim, significa levar. Em português passou a forma reflexiva: portar-se. O prefixo “com” denota um modo global de levar-se, portar-se. É o conjunto organizado das operações selecionadas em função das informações recebidas do ambiente através das quais o indivíduo integra as suas tendências. Em sentido mais geral designa a mudança, o movimento ou a reação de qualquer entidade ou sistema em relação a seu ambiente ou situação. Mudar significa tornar-se diferente do que era, física e moralmente. 

As nossas encarnações passadas constituem o nosso passivo espiritual. É aí que estão registrados os nossos hábitos e automatismos, tanto para bem como para mal. A cada nova encarnação o Espírito utiliza-se desses dados para se expressar. A isso denominamos tendência, ou seja, as disposições de cada um de nós frente a vida. Pavlov, ao estudar os reflexos, denominou-os de reflexo inato e reflexo condicionado. Por reflexo inato entende-se uma resposta espontânea da espécie; por reflexo condicionado, uma resposta adquirida.

As nossas tendências podem dirigir-se para o vício ou para a virtude. É sumamente importante refletir sobre elas, ou seja, tomarmos consciência do nosso pensar, do nosso sentir e do nosso agir. Assim procedendo, vamos nos conhecendo melhor e observando a nossa própria conduta no seio da sociedade. É o que fazia Santo Agostinho, quando se avizinhava o sono noturno: repassava o seu dia para verificar como fora em pensamento, palavras e atos, no sentido de perceber algum mal que tivesse praticado em relação ao seu próximo.

A mudança do comportamento, mais especificamente o vicioso, não é tarefa fácil. Por que? É que todo o esforço para vencer os condicionamentos acabam por formar novos condicionamentos. Observe o indivíduo que quer parar de fumar. Para isso, ele começa a chupar bala; depois, não consegue para de chupar bala. Além do mais, a mudança exige um esforço hercúleo para não violentar o nosso eu. É que influenciado pelo que nos falam, não percebemos que o que importa é o crescimento do Espírito, as qualidades intrínsecas que vamos lhes acrescentando, o que naturalmente irá expulsar os vícios, pois eles não mais farão parte de nossos automatismos. 

Empenhemo-nos na autoconsciência. Quem sabe se essa busca de nós mesmos não seja o principal estímulo de nossa evolução espiritual, das mudanças para o bem que o nosso Espírito imortal almeja? 

São Paulo, 20/03/2002

Complemento

Os hábitos adquiridos ao longo do tempo funcionam como uma segunda natureza. A maneira de se portar de cada um revela as suas tendências, os seus gostos, o seu nível de conhecimento, a sua auto-imagem. Uma vez sedimentado, o hábito torna-se difícil de ser modificado. Contudo, mudar significa tornar-se diferente do que era, física e moralmente. 

A auto-imagem: se não gosta de si mesmo, quem gostará? Nesse sentido, qualquer pessoa pode criar o hábito de pensar de si próprio como cidadão digno, construtivo, que tem objetivos próprios para cada dia da vida. Pode fazer planos para o futuro. Pode, também, deixar de beber, de fumar, de comer demasiadamente. 

Peter J. Steincrohn, no livro Como Deixar de Matar-se a Si Próprio, diz: "Eis um truque proveitoso para o fumante inveterado. Reconhecer que, para grande maioria, o fumar é ação reflexa. A maneira mais fácil de se abolir um hábito é substituí-lo por outro." Por exemplo, quando tiver vontade de fumar, chupe uma bala.

MALTZ, Maxwell. Psicologia da Auto-Imagem: Viva Melhor e Mais Feliz com você Mesmo. Tradução E. Jacy Monteiro. São Paulo: Bestesseler, 1966. 

Nenhum comentário: