09 setembro 2006

Caverna de Platão: Pequena Reflexão


Platão, no livro VII de A República, descreve, em forma de diálogo, a "Alegoria da Caverna". Ele coloca, desde a infância, alguns homens com o pescoço e as pernas presos de modo que permanecem imóveis e só vêem os objetos que lhes estão diante. Presos pelas cadeias, não podem voltar o rosto. Tudo o que vêem são sombras do mundo real. A partir de um certo momento, um deles (o filósofo) se vira e vai ao encontro da luz (conhecimento). Uma vez adquirido o conhecimento, sente-se no dever de voltar ao antro escuro e auxiliar os que lá ficaram. Contudo, será incompreendido.

O que se pode extrair deste texto? A caverna mostra a nossa ignorância, a nossa vida voltada para as coisas materiais, para tudo o que é sensível. Para nos libertarmos desse status quo, convém estimular o nosso interesse pelo mundo novo, por novas idéias. Essa busca, entretanto, exige um esforço por parte do aprendiz, no sentido de este focar as coisas mais excelsas de uma realidade espiritual. Não basta apenas procurar; necessário que se saiba o que procurar.

Para uma boa compreensão desse relato mítico, lembremo-nos de que Platão sempre se referia a um mundo das idéias, das essências, localizado no topus uranus, de onde a alma vem para fazer a sua caminhada terrestre. Essa busca do outro mundo, daquilo que não se vê materialmente, fundamenta a sua teoria das idéias. Neste relato há também um fator pedagógico: a educação do ser humano deve enfatizar a obtenção das virtudes, do sumo bem, fatores relevantes da ascensão espiritual.

Conscientizar o ser humano de sua ignorância é o ponto central da verdadeira educação. Às vezes nos demoramos nos prazeres do mundo material e desviamo-nos de nossa meta, daquilo para o qual a nossa alma foi talhada, comprometida. Como é fácil propender para esse desvio, pois há uma avalanche de sugestões à cobiça, à sensualidade, à busca do poder e de prestígio, a educação deve ser constante. Assemelha-se ao "orai e vigiai" que tanto Jesus nos aconselhou em suas predicas evangélicas.

A caverna mostra também a necessidade de extirparmos aquilo que de ruim existe em nós. Como podemos nos modificar se não temos consciência do lodo que há dentro de nós? Como obtermos a luz se há prazer em ficarmos no escuro? Não importa se este lampejo vem-nos através da dor, do desespero ou da decepção. Cabe-nos, sim, entronizar o ocorrido e procurar a transformação para o bem, para o justo, para o correto. Por isso, o cuidado que devemos ter com o teor de nossos pensamentos mais íntimos. Eles são as molas propulsoras de nossas ações.

Saiamos da caverna e busquemos a luz, não qualquer luz, mas somente aquela que possa auxiliar a nossa caminhada espiritual rumo à perfeição do nosso espírito imortal.

Nenhum comentário: