17 abril 2018

Filosofia Oriental

"Para admitir uma realidade além dos fenômenos objetivos, necessita o ocidental de um grande esforço de vontade que o leve às alturas da fé." (Huberto Rohden)

Para entendermos a filosofia oriental, temos que nos debruçar sobre o sentido amplo e o sentido restrito do termo. No sentido amplo, diz-se do "pensamento" (e não propriamente da filosofia), antigo e moderno, de todos os países do Oriente. Ou seja, do pensamento elaborado nas regiões da Ásia Menor, da Síria, da Fenícia, do Índia, da China e do Japão. No sentido restrito, há que se direcionar o estudo para as culturas específicas: Índia, China e Japão.

Para uma boa compreensão da filosofia oriental, pensemos no tipo de saber que esses países buscam. Para eles, o que realmente interessa é resolver o problema da salvação. Os saberes culto e técnico existem em função deste principal. Na Índia, entende-se a salvação como a integração do indivíduo em um todo cósmico; na China, em um todo social. O intelectualismo da filosofia ocidental existe, mas é reduzido ao mínimo dentro da filosofia oriental.

Qual seria a diferença entre a filosofia indiana e a filosofia chinesa? A filosofia chinesa tem um propósito prático-ética e prático-social; a filosofia indiana, a especulação das ideias. Qual o elemento comum? É o "sábio" (não o raciocinador, o intelectualista, o filósofo stricto sensu). Baseando nesse elemento comum, qual a relação com a filosofia ocidental? A filosofia ocidental trabalha com a razão raciocinante, no afã da objetividade; a filosofia oriental, por seu turno, procura reintegrar-se naquilo que chama de Realidade verdadeira.

Há discussões acerca de haver ou não uma relação entre a filosofia oriental e a filosofia ocidental. Alguns acham que a presumida falta de relação entre elas é devido ao ponto de vista de cada filosofia, pois os orientais fundamentam as suas teses na tradição religiosa, na concepção de mundo, nos problemas de comportamento social; não na pura razão teórica da Grécia antiga. Contudo, alguns pensadores (Schopenhauer, por exemplo) acham que somente a filosofia oriental pode ser considerada a verdadeira filosofia.

Huberto Rohden, em O Espírito da Filosofia Oriental, enfatiza o caráter predominantemente intuitivo, sobretudo na Índia, em oposição à lucubração intelectiva da filosofia ocidental. Nesse sentido, para compreender a filosofia oriental, o homem ocidental deve mudar o seu foco de atenção e ver pelo lado do oriental. O ocidental identifica a Realidade com os fatos. Para os orientais, os fatos são apenas reflexos secundários desta. Esta é a questão de fundo de toda a comparação entre a filosofia ocidental e a filosofia oriental.

Fonte de Consulta

MORA, J. Ferrater. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Loyola, 2004.

11 abril 2018

Teologia

Teologia. Vem  de Θεός” palavra grega que significa "Deus", e “λόγος”, logia (estudo de). Significa o estudo sistemático e racional da religião e suas influências. Diz-se, também, Ciência da religião, das coisas divinas. Esta palavra passou, por simples transposição, do grego e do latim para as línguas modernas. A partir do século XII, ela se fixou, nas escolas católicas, com o sentido atual: disciplina em que se encontram interpretadas, elaboradas e ordenadas num corpo de conhecimentos, a partir da Revelação e à sua luz, as verdades da religião cristã.

Na Grécia antiga, o termo "teologia" assumiu três significados: 1) mitológico (discurso entre o mito e o logos); 2) filosófico-cosmológico (a partir de Aristóteles, a teologia seria a “filosofia primeira” ou metafísica); cultual público (o que se diz dos deuses no culto oficial).

Em termos cristãos, Agostinho de Hipona (354-430) foi o primeiro teólogo latino a estudar o assunto. Seus escritos sobre o livre-arbítrio e o pecado original tiveram grande influência na cristandade ocidental. Para ele, o equivalente latino, teologia, é o "raciocínio ou discussão a respeito da Divindade". Alberto Magno (1193/1206-1280), padroeiro dos teólogos católicos romanos, exerceu grande influência, pois afirma que há uma interconexão de saberes filosóficos, etnográficos, históricos, espirituais etc., para ajudar a compreender qualquer tema religioso. S. Tomás também teve a sua participação. Para ele, a teologia é uma consideração das verdades, feita de modo racional e científico, tendente a proporcionar ao espírito do homem crente certa inteligência dessas verdades.

Na alta Idade Média, predominava o lema philosophia ancilla theologiae, ou seja, a filosofia era tratada como serva da teologia. Sendo a teologia a "Rainha das Ciências", todas as outras ciências, tais como, a psicologia e a filosofia, existiam apenas para ajudar o pensamento teológico. Observe os debates intermináveis na época da Escolástica.

Presentemente, a teologia abrange a dogmática (que define e demonstra as verdades a crer), a ascética (que descreve as paixões, os vícios e as virtude que se coadunam com os preceitos evangélicos), a mística (que expõe o modo como a alma se une a Deus), a positiva (que se consagra ao testemunho direto das Escrituras dos Padres e dos concílios), a escolástica (que se reduz ao sistema científico da fé, aplicando-lhes a razão filosófica); a litúrgica (que explica as fórmulas de orações e as cerimônias do culto) e a paranética (que se ocupa das prédicas).

Na filosofia, temos: 1) teologia filosófica, ou seja, a teologia racional ou natural, Ciência de Deus à luz natural da razão. Parte da metafísica que estuda a existência e os atributos de Deus na sua qualidade de ser Absoluto e Infinito. 2) Bunge, em seu Dicionário de Filosofia, acha que por não haver outros materiais além dos da compatibilidade com as escrituras canônicas, e como qualquer texto não científico pode ser interpretado de maneiras alternativas, há mais teologias do que religiões.

Teologia e espiritualidade. Antes, os santos costumavam ser teólogos e os teólogos costumavam ser santos. A teologia sem espiritualidade é vazia, espiritualidade sem teologia é cega. Nas palavras de Albert Einstein: “A religião sem a ciência é cega, e a ciência sem religião é manca.”
Fonte de Consulta
Dicionários e Enciclopédias

28 março 2018

Divindade

Divindade. Designa tudo o que é sobrenatural ou superior ao homem, podendo ser pessoal ou impessoal. É uma noção mais que a de Deus. A sua universalidade se manifesta na oposição entre o sagrado e o profano.

Filosoficamente, divindade designa, em abstrato, a natureza ou essência de Deus, o ser de Deus enquanto Deus. Sendo sinônimo de Deus, é um ser supremo idolatrado pelos humanos que exerce algum poder sobre eles. No sentido amplo, aplica-se ao politeísmo primitivo e ao nominalismo cristão. Em sentido estrito, significa aquele atributo que, segundo o nosso modo de conhecer, exprime mais profundamente a essência de Deus: não se deduz de nenhum outro e todos se fundamentam nele.

O Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo admitem o Deus único. No judaísmo, o Deus único é revelado ao povo judeu. É um Deus não acessível e, ao mesmo tempo, próximo ao seu povo e tem influência na história para que os judeus alcancem sua libertação. No cristianismo, a divindade está posta na trindade do Deus único: O Pai, o Filho e o Espírito Santo. No islamismo, o Deus único deve ser adorado e obedecido pelos seus seguidores.

Como identificar Deus com a divindade? Para identificar ou distinguir a divindade, valemo-nos dos conceitos de monoteísmo e politeísmo. No politeísmo há uma hierarquia de deuses, de modo que não há uma identidade entre Deus e Divindade. No monoteísmo, a divindade é possuída só por Deus. Nesse caso, Deus e divindade coincidem.

Na simbologia, temos as divindades fluviais, as divindades lunares e as divindades maternas. O rio, por exemplo, é divino em si mesmo; por isso, o culto aos rios no mundo todo. As fases da lua são uma medida do tempo; nesse caso, o deus lunar tornou-se deus da divisão do tempo. Quanto à divindade materna, temos os nomes como "grande deusa", "mãe dos deuses" e a "mãe terra", esta criadora e e protetora dos seres humanos e da vegetação.

Fonte: Dicionários e Enciclopédias



07 março 2018

Reforma Protestante: Algumas Notas

“A pedra atirada ao lago pode ter caído na Alemanha de Lutero, mas as ondulações foram sentidas muito mais longe”. 

Reforma Protestante foi um protesto de Lutero contra a ortodoxia católica. Assenta-se na libertação espiritual, em que os indivíduos puderam voltar às fontes puras do cristianismo, depois de séculos de dominação teológica, onde a religião “dizia o que se deve pensar”. Denominado de “besta das selvas”, a bula papal de 1520, que condenou Lutero, comparou-o a um javali selvagem destruindo as vinhas do Senhor.

Os movimentos contra a Igreja se proliferaram ao longo do tempo. Na Inglaterra, o teólogo John Wyclif (?-1384) substituiu a autoridade do papa pela das escrituras. Na Boêmia, Jan Hus inspirou uma revolta contra a autoridade estrangeira e a jurisdição romana. Os hussitas, adeptos de Hus, defendiam que os laicos deviam comungar o vinho, além do pão, na missa. Há, também, o “calvinismo”, que poderia se chamar de protestantismo “reformado”, ou “Segunda Reforma”.

No capítulo XX “Renascença do Mundo”, de A Caminho da Luz, pela psicografia de Chico Xavier, o Espírito Emmanuel esclarece que o plano invisível determinou a vinda de numerosos missionários com a incumbência de regenerar os polos relaxados da religião. Assim, no século XVI, aparecem as figuras veneráveis de Lutero, Calvino, Erasmo, Melanchton e outros vultos notáveis da Reforma, na Europa Central e nos Países Baixos.

O problema originário da Reforma Protestante eram as indulgências, certificados perdoando uma parte do castigo a ser cumprido no purgatório, em troca de alguma boa ação ou de uma soma de dinheiro para uma boa causa. Lutero tinha dúvidas sobre o “mérito” desse mecanismo; achava que bastaria apenas a fé para a salvação. Na defesa de sua tese, Lutero se tornara uma celebridade e um herói nacional alemão. No começo dos anos 1520, Lutero também se tornou um absoluto campeão de vendas.

Ao lado de Lutero, temos Jean Calvin (João Calvino), exilado religioso francês, na Genebra de 1536. Enquanto Lutero era impetuoso e incoerente, Calvino era lógico e metódico. A teologia de Lutero era uma espingarda de caça; a de Calvino, um rifle atirador de elite. O pensamento de Calvino estava reunido num único volume, Institutas da religião cristã (1536). O título completo do livro anunciava aos leitores que ele continha "quase toda a súmula da piedade e de tudo o que é necessário conhecer na doutrina da salvação". Era um tremendo esforço — unindo lógica, gramática e retórica — de esquematizar tudo o que se podia saber sobre um Deus essencialmente misterioso e transcendente.

A correção do pensamento é obra de longo tempo. Observe quantos esforços não foram despendidos por esses missionários do Evangelho, alguns perdendo a própria vida, como é o caso de Jan Hus.

Fonte de Consulta

MARSHALL, Peter. Reforma Protestante: Uma Breve Introdução. Tradução Denise Bottmann. Porto Alegre, RS: L&PM, 2017. (Coleção L&PM POCKET) (Obra de 2009)

30 novembro 2017

Religião e Fundamentalismo Militante

Fundamentalismo é a concepção epistemológica de que todo conhecimento fatual está ancorado em uma base muito firme ou fundamentoEm termos religiosos, os primeiros a utilizá-lo foram os protestantes americanos que, no início do século XX, designaram a si mesmos como “fundamentalistas”, para distinguir-se de protestantes mais “liberais”, que, a seu ver, distorciam inteiramente a fé cristã. Defendiam uma volta aos "fundamentos", literalmente entendidos, da Bíblia. O fundamentalismo militante é um desvio do fundamentalismo propriamente dito, pois evoca a luta com a espada para que a sua fé prevaleça sobre a do adversário.

As religiões são criações humanas com um fundo divino. Elas encorajam as pessoas a crerem em algo além da matéria. Muitas delas têm um fundador ou revelador: o judaísmo em Moisés, o cristianismo, em Cristo, o islamismo, em Maomé. Há algo comum em todas elas: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo".

A ciência que combate a religião acaba se tornando uma (pseudo) religião. Por quê? O combate cria as suas próprias regras, pois alguns cientistas igualam-se a Deus e creem donos do saber, e às vezes, de um único saber.Há que se tomar  muito cuidado com o indivíduo de pensamento fixo, de uma única ideia. Exemplo: marxismo, psicanálise e Darwin.

O marxismo como fundamentalismo tem seu culto de um único livro (O Capital), uma única verdade (a do marxismo-leninismo) e um único inimigo (o capitalismo). Freud, o pai da psicanálise, trata da religião em três dos seus principais livros. Em Totem e Tabu, por exemplo, sustentou a tese de que toda a  religião não passa de uma forma coletiva de neurose – ou de culpa pelo homicídio da "figura paterna". O fundamentalismo evolucionista de Darwin foi a causa da perda de fé de muitos jovens. 

Indivíduos – religiosos, políticos e cientistas –  que são adeptos de uma única ideia são chamados de "homens de um livro só". O fundamentalismo militante está inserido nesse contexto. É uma crença superficial que luta contra outra crença, também superficial. A substância de cada religião fica em segundo plano. Há um menosprezo pela herança cultural, científica e mística deixada pela civilização ao longo dos séculos.

Não sejamos apressados em aceitar as críticas ao fundamentalismo militante associando-as ao islamismo propriamente dito. O fundamentalismo é a parte insignificante de todo o arcabouço doutrinário contido no Corão de Maomé.


Fonte de Consulta

AZEVEDO, Mateus Soares de. Homens de um Livro Só: O Fundamentalismo no Islã, no Cristianismo e no Pensamento Moderno. Rio de Janeiro: Nova Era, 2008.


Frases extraídas deste livro


"Cuidado com o homem de um livro só." [Santo Tomás de Aquino (1224-1274)]
Diz o famoso versículo 256 da sura 2 do Corão: "Não há imposição em matéria de religião."
O profeta Maomé ensina que "A jihad mais excelente é a conquista do ego."
A Charia é a lei da ação; o sufismo, a lei da contemplação.
O ponto de partida do islã não é o amor a Deus, como é no cristianismo, mas sim a obediência à Lei revelada (Charia).
O islã sustenta ser a última grande religião a surgir no palco da história — reivindicação que não foi desmentida nos últimos 14 séculos.
Marcam o islã as seguintes características essenciais: a simplicidade de sua doutrina básica, acessível à média dos homens; a sobriedade e mesmo austeridade de seus costumes e de sua arte; o vigor de sua fé. A religião, de fato, tem como principal pilar o conceito da unidade e unicidade de Deus.
O geólogo, médico e teólogo norte-americano Rama Coomaraswamy (1929-2006) comentou: "Vocês conhecem a fábula da princesa que beijou um sapo e o transformou em um lindo príncipe. Pois a teoria da evolução sustenta que foi isso mesmo que aconteceu." 
Yves Delange, professor de zoologia da Sorbonne, admite que "não há provas definitivas de que a evolução transformista postulada por Darwin tenha jamais ocorrido".
"Quando o dedo aponta para a lua, os tolos olham para o dedo", diz um provérbio zen. 

22 novembro 2017

Cremação

Cremação, prática de desfazer-se de cadáveres humanos pelo fogo, teve  sua origem por volta de 3000 a.C. É um longo caminho até os nossos dias. 

Em se tratando dos egípcios antigos, a cremação inexistia. Como acreditavam que a vida continuasse após a morte, havia as práticas de mumificação, a criação de sarcófagos e a construção de pirâmides. Tudo para facilitar a transição do ser para a vida após a morte. Além disso, objetos eram escolhidos para serem enterrados junto com o morto.


Com os gregos antigos (1000 a.C.), a morte dos soldados ensejou uma reflexão contrária. Para repatriar as cinzas dos soldados mortos, eles queimavam seus corpos, e a cremação passou a ser identificada com atos heroicos. Permaneceu como um símbolo de status na Roma antiga até a expansão do cristianismo, que ensinava que os mortos ressuscitariam no fim dos tempos. Isso estimulou os convertidos a enterrarem os seus mortos, para que os corpos ainda existissem no Dia do Juízo Final. 


Depois disso, a cremação ficou esquecida e proibida em alguns países. A objeção não religiosa consistia na possibilidade de a cremação disfarçar crimes. O conceito mudou no final do século XIX. No Japão a cremação foi legalizada em 1875; o primeiro crematório dos Estados Unidos foi aberto em 1876; e em 1884 as cortes britânicas declararam que era permissível dispor de cadáveres humanos por meio desse processo. 


Presentemente, a cremação está muito em voga. No Japão é praticamente universal; na Grã-Bretanha e na Alemanha mais de 50% dos cadáveres são cremados. Apenas os Estados Unidos são contra a tendência: mais de 90% dos americanos ainda são enterrados.


Fonte de Consulta



ARP, Robert (Editor). 1001 Ideias que Mudaram a Nossa Forma de Pensar. Tradução Andre Fiker, Ivo Korytowski, Bruno Alexander, Paulo Polzonoff Jr e Pedro Jorgensen. Rio de Janeiro: Sextante, 2014.

15 novembro 2017

Koan

"Estamos perdidos onde a mente não pode nos encontrar, profundamente perdidos." (Ikkyu, monge zen-budista e poeta)

O termo koan refere-se aos ensinamentos usados por mestres zen para ajudar a despertar seus discípulos. É a ideia de que o estudo do paradoxal pode levar o aluno à iluminação. Segundo O Dicionário Eletrônico Houaiss de Língua Portuguesa, o koan é uma sentença ou pergunta de caráter enigmático e paradoxal, usado em práticas monacais de meditação com o objetivo de dissolver o raciocínio lógico e conceitual, conduzindo o praticante a uma súbita Iluminação intuitiva.


As questões intrigantes, como por exemplo "qual o som de uma mão batendo palma?", servem como objeto de meditação. Um koan é criado para expor as falhas de um método discursivo de argumentação, levando os alunos a um novo sistema mental que se aproxima da iluminação. De acordo com Hakuin, o objetivo de um koan é despertar uma "grande dúvida" num aluno sobre o paradigma que ele usa para interpretar o mundo. Pode-se dizer que é um tipo de metacognição, já que leva alguém a refletir como pensa e vivencia o mundo. (1)


21 outubro 2017

Filosofia e Antifilosofia

"Quem não filosofa pela filosofia, mas se serve da filosofia como meio, é um sofista". (F. Schlegel, Fragmentos do "Athenaeum")

Platão, em A República, diz que o homem vil e superficial não pode ter nenhuma comunicação com a filosofia. A filosofia não é opinião, mas a busca da arché, o Princípio de todas as coisas. A filosofia deve ser entendida, hoje e sempre, como a busca ou amor da verdade. A filosofia surge como diálogo de pensantes e se comunica pelo logos.


O diálogo foi descoberto por Parmênides, Sócrates e Platão. O antidiálogo surgiu com os sofistas Protágoras, Górgias e Trasímaco. Os primeiros são os amantes do logos; os segundos, "amantes da opinião" ou filodoxos. Há, também, os "clássicos da doxa" ou da antifilosofia: Montaigne, Hume, Kant, Locke e Marx. Estes e outros são tentados a "revolver o logos próprio do homem e o Logos que é Deus fazendo-os ceder à "tentação" ratio-vitalística do mundano e, por isso, da opinião multíplice".


Os sofistas preparavam para a carreira política e para o exercício de cargos públicos. Na época moderna, John Locke foi o começo desse novo período de erros e falácias. De um erro elevado a princípio nascem novos erros. Rosmini diz que o século XVII foi uma das idades "quase consagradas ao erro". Nesse sentido, o verdadeiro pensador deve ter a coragem de libertar a filosofia dos inúteis vínculos com o erro e a mentira.

Um diálogo com concessões recíprocas já tem um vencedor: o erro. Há um só diálogo: o da verdade e com a verdade. De tanto respeitar o espírito humano, tem-se reverência pelo erro. A tolerância se exercita para com pessoas e não para com sistemas. A mente, quando se trata da lógica, da coerência, opõe-se à contradição.


A verdade não se aprende com os sentidos. Este é o nó solfístico que deve ser combatido. Santo Tomás, em Summa contra Gentiles, livro II, c. LXVI, explica a diferença entre sentido e intelecto. Para ele, o sentido se encontra em todos os animais, está limitado às coisas materiais e não consegue conhecer a si mesmo. O intelecto está no homem, vai além das coisas materiais e pode refletir sobre si mesmo. Acrescenta que a metafísica, como ciência das causas primeiras, que os sentidos não podem conhecer.


Saibamos diferenciar a filosofia da antifilosofia, o diálogo do antidiálogo, a verdade do erro. Por isso, a reflexão, o exame e a ponderação do bom senso.

Extraído de


SCIACCA, Michele Federico. Filosofia e Antifilosofia. Tradução de Valdemar A. Munaro. São Paulo: Realizações Editora, 2011. 

O Trivium e as Artes Liberais

"As artes liberais denotam os sete ramos do conhecimento que iniciam o jovem numa vida de aprendizagem." 

O Trivium e o Quadrivium, conhecidos como as Sete Artes Liberais, eram o conjunto de estudos que, na Idade Média, antecedia o ingresso na Universidade. Trivium significa o cruzamento de três ramos ou caminhos e tem a conotação de um "cruzamento de estradas" acessível a todos. Quadrivium significa o cruzamento de quatro caminhos. 


O Trivium (Gramática, Lógica e Retórica) diz respeito às coisas da mente. O Quadrivium (Aritmética, Geometria, Música e Astronomia) diz respeito às coisas da matéria. Para Hugo de São Vítor (1096-1141), no Didascálion, "a gramática é a ciência de falar sem erro. A dialética é a disputa aguda que distingue o verdadeiro do falso. A retórica é a disciplina para persuadir sobre tudo o que for conveniente". 


Um estudo sobre o trivium da Idade Média leva-nos a comparar a educação contemporânea, que se fundamenta em produzir documentos (diplomas) daquela que se baseava nas artes liberais, em que o individuo procurava o conhecimento por sua livre e espontânea vontade. Nos tempos das "trevas", a educação tinha por objetivo retirar o indivíduo de seu comodismo e apresentar-lhe o mundo como ele é. 


No trivium, temos: Lógica é a arte de pensar; Gramática, a arte de inventar e combinar símbolos; Retórica, a arte de comunicar. A retórica assume papel preponderante, pois faz uso da gramática e da lógica, para comunicar os pensamentos e os conhecimentos.


A educação liberal é a mais nobre das artes, pois foca a mente do aprendiz. O aluno não recebe passivamente as informações. Ele é convidado a relacionar os fatos aprendidos com um todo unificado. Não é acumular fatos, informações, mas produzir conhecimento, pensar sobre os dados e tirar suas próprias conclusões. 


Fonte de Consulta


JOSEPH, Miriam. O Trivium: As Artes Liberais da Lógica, da Gramática e da Retórica. Entendendo a Natureza e a Função da Linguagem.  Tradução e Adaptação de Henrique Paul Dmyterko. São Paulo: É Realização, 2008.  


12 julho 2017

Hegel e a Dialética

Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) foi um filósofo alemão. O pano de fundo de sua filosofia é o idealismo absoluto, que já fora ventilado por outros filósofos, entre eles Schelling, mas somente com Hegel atinge a sua maturidade. No pensar absoluto, há uma identidade entre sujeito e objeto: "O absoluto é sujeito". 

Dialética. Na filosofia antiga e medieval é um sinônimo da lógica ou da arte de argumentação. Pode-se dizer que é a arte de discutir, a arte do diálogo. Como, porém, não discutimos só com os outros, mas também conosco próprios, ela acaba sendo considerada o método filosófico por excelência. Entre os gregos, chamava-se ainda dialética à arte de separar, distinguir as coisas em gêneros e espécies, classificar ideias para poder discuti-las melhor. 


A dialética platônica diferencia-se da dialética hegeliana. A dialética platônica encontra-se no mito da caverna: há homens voltados para o fundo da caverna, que só veem sombras. Um deles se vira (o filósofo) e busca a luz, ou seja, o conhecimento. Hegel, por sua vez, entende a dialética da seguinte forma: 1) cada coisa seria a união de opostos; 2) cada mudança origina-se em oposição (ou "contradição"); 3) qualidade e quantidade mudam uma na outra. 


Hegel parte da Tese – Ser, indeterminado, absoluto, pura potencialidade, o qual deve se manifestar na realidade através da Antítese – Não-Ser. Na contradição entre tese e antítese surge a Síntese – Vir-a-Ser. Esse raciocínio é aplicado tanto à aquisição de conhecimento quanto à explicação dos processos históricos e políticos. Para ele, a verdadeira ciência do pensamento coincide com a ciência do ser.


Bunge, em seu Dicionário de Filosofia, critica a dialética hegeliana:



  • "As partículas elementais são os contra-exemplos da primeira "lei". Cada caso de cooperação na natureza ou na sociedade arruína a segunda. A terceira "lei" é ininteligível na forma como se apresenta";
  • "A única lei dialética: em cada processo qualitativo, ocorrem (podem ocorrer) mudanças e, uma vez realizadas, novos modos de crescimento ou declínio começam. Ela não envolve o conceito de contradição, que é marca registrada da dialética".

Comparemos a dialética da ideia de Hegel à evolução do princípio espiritual através da matéria, em Kardec. De acordo com Hegel, o espírito evolui, passando por sucessivas sínteses, tal qual o desenvolvimento de uma planta: semente, botão, fruto, novamente semente, ... De acordo com Kardec, os Espíritos são criados simples e ignorantes e, em cada reino da natureza, vão potencializando virtudes, até atingirem o estado de Espíritos puros, quando, então, não terão necessidade de reencarnar novamente.


Fonte de Consulta


BUNGE, M. Dicionário de Filosofia. Tradução de Gita K. Guinsburg. São Paulo: Perspectivas, 2002. (Coleção Big Bang)


TEMÁTICA BARSA - FILOSOFIA. Rio de Janeiro, Barsa Planeta, 2005.